GBF2030 / Convenção sobre a Biodiversidade

The urgency of the climate and biodiversity emergencies is evident from reading the news today. Never before did so many key players come to the table to care for nature: businesses, private finance, multilateral development banks, consumers, youth, indigenous peoples and local communities and NGOs. In addition, territorial approaches to development have re-emerged among international organizations and among development partners. They are increasingly recognized as a powerful tool for improving sustainable development outcomes.

In the context of global governance, for the past 18 months, the 196 national governments that signed on to the Convention on Biological Diversity (CBD) have been developing a new 10-year framework strategy for biodiversity, the so-called post-2020 Global Biodiversity Framework (GBF). The framework, currently in its first version (https://www.cbd.int/doc/c/abb5/591f/2e46096d3f0330b08ce87a45/wg2020-03-03-en.pdf ), proposes a vision for 2050 (“living in harmony with nature”) and a mission for 2030, 4 goals for 2050 with milestones by 2030, and up to 23 action targets by 2030, some of which have numerical components. For instance, there is a proposal to protect 30% of all relevant ecosystems and restore an additional 20% of them by 2030; prevent and reduce the introduction and establishment of alien invasive species by at least 50%,or redirect up to 500 USD billion per year of harmful incentives, or raise USD 200 billion of resource es for biodiversity globally per year. At least half of the GBF targets have very strong local and territorial mandates.

The GBF will be revised for adoption at the upcoming 15th meeting of the CBD in Kunming, China, third quarter of 2022. In a recent CBD meeting in Geneva in March 2022, there was universal support from Parties to the Convention to the draft Plan of Action for the engagement of subnational governments, cities and other local authorities,  currently published as CBD/SBI/3/L16 (https://www.cbd.int/doc/c/768c/a5ed/fca77cd8171e253852656ba5/sbi-03-l-16-en.pdf).

All of these targets and approaches require the contribution of subnational and local governments for their implementation – in fact, a “whole of government” approach is one of its key characteristics. When it comes to territorial governance, to education and incentives for sustainable consumption, and to enforcing cleaner production guidelines, provinces, regions and cities are the key players.

Building on the experience of critical players such as ICLEI and Regions4 and counting on the 12-year leadership of States such as Sao Paulo, Brazil, the WorldBio2022 event will bring together relevant players including national governments, UN agencies, subnational and local authorities, development agencies and banks, NGOs and centers of expertise. The event will jumpstart the implementation of the GBF at territorial, subnational and local level. There has been universal support in the CBD for adoption of the PoA; it will be a breakthrough in mainstreaming as SNLGs are natural partnership developers and managers; they leverage resources and align players.

WBio2022 is a process, not just an event – key players like networks, centers of expertise, donors and agencies will update each other on that occasion and from thereon; updates and consultations are planned for meetings such as the ICLEI World Congress, the World Urban Forum in Katowice, and the second phase of the 15th Conference of the Parties to the CBD. COP 15/Summit and beyond; the event will also build on commitments such as those represented on platforms such as https://citieswithnature.org/ and https://regionswithnature.org/.

  • Among the planned outcomes of WBiio2022:
    Concrete projects will be redesigned so they’re aligned with guidance and players;
  • A multi-stakeholder process management group will be established for follow up; agreements with leading networks and other UN and international players are foreseen;
  • A resource mobilization and business plan for a cooperative platform to assist leading SNGs and partners will be announced, for knowledge generation, match-making and acceleration of project design;
  • Working groups will be formed: Examples include sustainable energy (hydroelectricity and biofuels), agriculture/food security, tourism and monitoring and assessment of impacts and dependencies on biodiversity.

For more information, please e-mail: wbio@cunhambebe.org.br

A urgência das questões climáticas e da conservação da biodiversidade fica evidente ao lermos as notícias de hoje. Além disso, e nos últimos anos, as abordagens territoriais do desenvolvimento ressurgiram entre as organizações internacionais e entre os seus parceiros e são cada vez mais reconhecidas como uma ferramenta poderosa para melhorar os resultados do desenvolvimento.

No contexto da governança global, nos últimos 18 meses, os 196 governos nacionais que assinaram a Convenção sobre Diversidade Biológica vêm desenvolvendo uma nova estratégia, um “framework” de 10 anos para a biodiversidade, chamada de “Quadro Global de Biodiversidade pós-2020”.

O framework, atualmente em sua primeira versão (veja o documento aqui), propõe uma visão para 2050 (“vida em harmonia com a natureza”) e uma missão para 2030. São 4 metas para 2050 com marcos até 2030 e até 23 metas de ação para 2030, alguns dos quais com objetivos numéricos. Por exemplo, há uma proposta para proteger 30% de todos os ecossistemas relevantes e restaurar mais 20% deles até 2030; prevenir e reduzir a introdução e o estabelecimento de espécies exóticas invasoras em 50%, ou redirecionar até US$ 500 bilhões por ano de incentivos, ou levantar US$ 200 bilhões em recursos para a biodiversidade globalmente por ano.

O GBF será revisado para adoção na próxima 15ª reunião da CDB em Kunming, China no terceiro trimestre de 2022. Em uma recente reunião da CDB em Genebra em março de 2022, houve apoio universal das Partes da Convenção ao projeto de Plano de Ação para o engajamento de governos subnacionais, cidades e outras autoridades locais, atualmente publicada como CBD/SBI/3/L16.

(https://www.cbd.int/doc/c/768c/a5ed/fca77cd8171e253852656ba5/sbi-03-l -16-en.pdf ).

Todas essas metas requerem a contribuição dos governos subnacionais e locais para sua implementação – na verdade, uma abordagem policêntrica é uma de suas características, quando se trata de governança territorial, educação e incentivo ao consumo sustentável e aplicação de diretrizes de produção mais limpa. As províncias, regiões e cidades são os principais atores. Com base na experiência de atores essenciais como ICLEI e Regions4 e contando com a liderança de 12 anos de Estados como São Paulo, Brasil, o evento WorldBio2022 reunirá atores relevantes, incluindo governos nacionais, agências da ONU, autoridades subnacionais e locais. Nunca tantos atores importantes vieram à mesa para cuidar da natureza: empresas, finanças privadas, bancos multilaterais de desenvolvimento, academia, consumidores, jovens, povos indígenas e comunidades locais e ONGs. O WBio2022 dá início à implementação do GBF em nível territorial, subnacional e local. Houve apoio universal na CDB para a adoção do PoA; o que será um avanço na integração, pois os governos locais e subnacionais, naturalmente, são desenvolvedores de parcerias e gestores pois eles alavancam recursos e alinham os atores sociais. 

O WBio2022 é um processo, não apenas um evento – atores-chave como redes, centros de especialização, doadores e agências se atualizarão nessa ocasião e a partir daí; atualizações e consultas estão planejadas para reuniões como o Congresso Mundial do ICLEI, o Fórum Urbano Mundial em Katowice e a segunda fase da 15ª Conferência das Partes da CDB. COP 15/Cúpula e além; o evento também se baseará em compromissos como os representados em plataformas como https://citieswithnature.org/ e https://regionswithnature.org/ .

.

Projetos concretos serão redesenhados/alinhados: 

  • Projetos concretos serão redesenhados para alinhamento com orientações e atores;
  • Um grupo de gestão de processos de múltiplas partes interessadas será estabelecido para acompanhamento; estão previstos acordos com redes líderes e outros atores internacionais e da ONU;
  • Será anunciado um plano de mobilização de recursos e de negócios para uma plataforma cooperativa para auxiliar os principais SNGs e parceiros, para geração de conhecimento, matchmaking e aceleração do desenho de projetos;
  • Grupos de trabalho serão formados: Exemplos incluem: energia sustentável (hidroeletricidade e biocombustíveis), agricultura/segurança alimentar, turismo e monitoramento e avaliação de impactos e dependências da biodiversidade.

 Para maiores informações, por favor, nos envie um e-mail: wbio@cunhambebe.org.br

Para saber mais confira os documentos abaixo:

Connecting Global Priorities: Biodiversity and Human Health

Los pueblos indígenas y tribales y la gobernanza de los bosques

The global assessment report on BIODIVERSITY AND ECOSYSTEM SERVICES

LOCAL & SUBNATIONAL ADVOCACY ROADMAP TOWARDS AN INCLUSIVE POST-2020 GLOBAL BIODIVERSITY FRAMEWOR

A New Global Framework for Managing Nature Through 2030: 1st Detailed Draft Agreement Debuts (press release)

Program WBio2022

DAY 1: June, 07th

Central place: opening (S-CBD, SIMA-SP and other high-level representative from L&SNG, CBD NFPs supporting the whole government approach, sponsors and Organization Team); OEWG – updated version of the GBF draft & introduction of every one of the Top 5 themes (by S-CBD) and Renewed and Updated PoA / L-DOC_16 (L&SNG CBD Major Group).

Parallel rooms: every one of the Top 5 projects – who are we? where are we?

DAY 2: June, 08th

Central place: the GBF contexts – science, IPLC, L&SNGs, Women, Youth, Business, NGOs, Communication, Education and Rio Conventions.

Parallel rooms: every one of the Top 5 projects – where shall we go?

DAY 3: June, 09th

Central place: the selected funding opportunities and potential partnerships for L&SNGs; vertical and horizontal integration; and closure (S-CBD, L&SNGs hosts, CBD NFPs supporting the whole government’s approach, sponsors, partners, Provisional Governance Platform and WBio2022 Organization Team) and closing session.

Parallel rooms: every one of the Top 5 projects – how to advance? On the ground general structures? On-the-ground pilots? With whom? Commitments till the COP15/P2/CBD.

 

Themes

The WBio2022 will be structured on five major themes – crossing with the CBD Major Groups and partners, under the climate change, benefit-sharing and wetlands lens: youth, women, IPLC, NGO, Business & UN Agencies. Every theme is being evaluated considering some criteria, like the potential to be ready to be launched at COP15/P2; is recognized as locally relevant to implementing the CBD; can be monitored by SMART indicators; links with on the ground interventions supporting the implementation of the CBD; and is integrated as part of the CBD GBF context.

1. (WBio2022 WG1) Messaging and the governance of communication, environmental education and public awareness (CEPA).

2. (WBio2022 WG2) The city level: upscaling urban nature-based solutions, ecosystem-based approaches and urban ecosystem restoration.

3. (WBio2022 WG3) The subnational level: green & blue economy & incentive and finance instruments for land- and seascape level biodiversity actions and projects, within all the ecosystem services’ benefits, considering vertical and horizontal integration.

4. (WBio2022 WG4) Protected Areas and other effective area-based conservation measures (OECMs) – identifying public-private synergies for connectivity, highlighting coastal and marine areas.

5. (WBio2022 WG5) Science, knowledge generation and monitoring: pilot exchanges, setting science-based indicators and reporting, technology transfer & capacity building systems for all of the above activities, with priority on Tropical Forests, highlighting reforestation and urban forestry & agriculture, and nature sensitive renewable energy.

Programação WBio2022

DIA 1: 07 de junho

Auditório: Abertura (Secretariado da CBD, SIMA-SP e outros representantes de alto nível do L&SNG, NFPs da CBD apoiando toda a abordagem do governo, patrocinadores e Equipe de Organização); OEWG – versão atualizada do draft do GBF e introdução de cada um dos 5 principais temas (por S-CBD) e PoA Renovado e Atualizado / L-DOC_16 (L&SNG CBD Major Group).

Salas paralelas: todos os projetos Top 5 – quem somos? Onde estamos?

DIA 2: 08 de junho

Auditório Central: os contextos do GBF – ciência, IPLC, L&SNGs, Mulheres, Jovens, Negócios, ONGs, Comunicação, Educação e Convenções do Rio.

Salas paralelas: todos os projetos Top 5 – para onde vamos?

DIA 3: 09 de junho

Lugar central: as oportunidades de financiamento selecionadas e potenciais parcerias para L&SNGs; integração vertical e horizontal; e encerramento (S-CBD, anfitriões de L&SNGs, NFPs de CBD apoiando a abordagem de todo o governo, patrocinadores, parceiros, Plataforma de Governança Provisória e Equipe de Organização WBio2022) e sessão de encerramento.

Salas paralelas: todos os projetos Top 5 – como avançar? Quais serão as estruturas gerais? Quais os pilotos? Com quem? Compromissos até a COP15/P2/CBD.

 

Temas

O WBio2022 será estruturado em cinco grandes temas – cruzando com os principais grupos e parceiros da CBD, sob as lentes das mudanças climáticas, repartição de benefícios e zonas úmidas: jovens, mulheres, IPLC, ONGs, empresas e agências da ONU. Cada tema está sendo avaliado considerando alguns critérios, como o potencial de estar pronto para ser lançado na COP15/P2; é reconhecido como localmente relevante para a implementação da CDB; pode ser monitorado por indicadores SMART; ligações com intervenções no terreno de apoio à implementação da CDB; e está integrado como parte do contexto CBD GBF.

1. (WBio2022 WG1) Governança da comunicação, educação ambiental e conscientização pública (CEPA).

2. (WBio2022 WG2) O nível da cidade: soluções urbanas baseadas na natureza, abordagens baseadas em ecossistemas e restauração de ecossistemas urbanos.

3. (WBio2022 WG3) O nível subnacional: economia verde e azul e instrumentos de incentivo e financiamento para ações e projetos de biodiversidade em nível terrestre e marítimo, dentro de todos os benefícios dos serviços ecossistêmicos, considerando a integração vertical e horizontal.

4. (WBio2022 WG4) Áreas Protegidas e outras medidas efetivas de conservação baseadas em área (OECMs) – identificando sinergias público-privadas para conectividade, destacando áreas costeiras e marinhas.

5. (WBio2022 WG5) Ciência, geração de conhecimento e monitoramento: intercâmbios piloto, definição de indicadores e relatórios baseados em ciência, transferência de tecnologia e sistemas de capacitação para todas as atividades acima, com prioridade em Florestas Tropicais. Destaque para o reflorestamento e silvicultura urbana e agricultura, e energia renovável sensível à natureza.

Todos os direitos reservados ACIA – CNPJ 01.697.996/0001-07